segunda-feira, 30 de julho de 2007

Os incríveis e esculturais pés de Clélia

Todos os dias acordarás antes mesmo que o sol
Vestirás tuas vestes simples, de trabalho
Sentirás antes que todos, mas junto com o sol
O tato com a terra úmida pela noite fria
Afofarás a terra, ararás e adubarás
Prepararás os sulcos para que recebam as sementes
E cuidarás para que das sementes nasçam os frutos
Cuidarás pacientemente, dia após dia, para que os animais não magoem a terra
E não pisem nos brotos
E assistirás, feliz, ao nascimento dos frutos
E então colherás, e separarás uma pequena parte dos alimentos para sua família
E o restante, a imensa maioria da colheita,
Enviarás para que alimente outras famílias
que moram em outros mundos, muito aquém do seu
E pensarás se existe mesmo outro mundo após a plantação
Porque a paisagem que te rodeia é um mosaico de culturas:
Arroz, feijão, café, milho
que acabam lá na linha do horizonte de todos os horizontes a sua volta

Um dia, no horizonte, avistarás um grupo de homens
Homens de um outro mundo, não do seu
tampouco dos que transportam o produto de sua colheita
Notarás que esses homens trazem máquinas desconhecidas,
Sem nenhuma valia para seu mundo de plantações
Não te assustarás com os forasteiros
Porém, te surpreenderás um convite:
Que pouse para um retrato
Aceitarás num misto de timidez e excitação
Farás uma pose bem bonita, a melhor que conseguires preparar
Entretanto pedirás, decidida, que te fotografe somente os pés
E mais, que o leve consigo o retratista,
para seu mundo e outros que ainda visitarás
E naquele momento responderás ao retratista e a si mesma:
Sim, se é com os pés que cuido da terra, então serão eles a conhecer os outros mundos.

*Este texto foi inspirado pelo retrato dos pés de Clélia, de autoria do fotógrafo Alan Nielsen http://www.alannielsen.com/ . Faz parte do ensaio fotográfico “Caminhos da Roça”, realizado na cidade de Brodowski, em homenagem ao grande pintor Cândido Portinari.

Um comentário:

Adilson disse...

Adorei, adorei, adorei!
Parabéns Carol!